SIGESP

Home Concessões Públicas Setor rodoviário vai pedir juros menores a pré-candidatos

Setor rodoviário vai pedir juros menores a pré-candidatos

by Portal SIGESP

Taxa de longo prazo do BNDES de agosto está em 5,19%, maior desde janeiro de 2018; documento será entregue até setembro

A ABCR (Melhores Rodovias, associação de concessionárias) vai levar à equipe econômica de cada pré-candidato ao Planalto um documento com sugestões do setor para o próximo governo. Entre os itens que serão apresentados estarão taxas de juros menores e a criação de novas fontes públicas de financiamento para concessões rodoviárias. O documento será entregue até setembro.

Segundo o diretor-presidente da associação, Marco Aurélio Barcelos, o custo de capital praticado pelos bancos comerciais, e também pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), está alto e pode levar à elevação dos pedágios e prejudicar o consumidor.

Nós temos que criar linhas de crédito mais competitivas do que bancos comerciais porque isso impacta na tarifa. Quem vai pagar, em última análise, pelos juros mais expressivos que encontramos em bancos comerciais no mercado em geral de financiamento? O próprio usuário”, disse Barcelos ao Poder360.

Segundo dados do BNDES, a taxa de longo prazo para o mês de agosto é de 5,19% ao ano, maior indicador desde janeiro de 2018, quando era de 2,7%.

Outra sugestão que estará no material a ser entregue às equipes dos candidatos é que seja definido pela próxima pasta de transportes, logo nos primeiros meses de gestão, quais ativos serão prioridades para o governo.

A ideia é que a próxima equipe no Planalto sinalize quais rodovias terão mais recursos e empenho para finalização de obras e quais não terão as mesmas condições. “Até para coordenar o mercado em relação às oportunidades e agenda de mobilização que vai acontecer”, disse Barcelos.

O diretor-presidente da ABCR também elogiou a mudança que o atual governo fez no BNDES e na EPL (Empresa de Planejamento e Logística), que passaram a se dedicar também à estruturação de novos projetos de infraestrutura. “Nós achamos que isso não deveria ser mexido”, disse.

A associação vai levar ainda outros 2 temas caros para o setor aos presidenciáveis: as relicitações e os prejuízos nos caixas das concessionárias causados pela pandemia.

No 1º caso, o pedido será para que os ativos devolvidos voltem à prancheta de estudos e se transformem em novos projetos.

No 2º, a necessidade de analisar as perdas dos fluxos de caixa das concessionárias em decorrência da perda de demanda. O tema foi tratado em pronunciamento por parte da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) no cenário federal, mas ainda não há resposta para concessões estaduais.

Então, toda a sangria que o impacto da demanda trouxe para os nossos setores ainda não foi equacionada”, disse.

Related Posts