SIGESP

Home Concessões Públicas Álvaro Dias não irá aceitar “pressão” para tomar partido por Fábio Dantas

Álvaro Dias não irá aceitar “pressão” para tomar partido por Fábio Dantas

by Portal SIGESP

Quem conversou nas últimas horas com o prefeito Álvaro Dias (PSDB) sentiu que dificilmente ele irá aceitar “pressões” da oposição para declarar apoio ao candidato Fábio Dantas (Solidariedade), que terá o nome homologado em convenção no fim de semana. No último dia agendado para as convenções partidárias, 5 de agosto, o prefeito de Natal irá realizar um evento político. A intenção é reforçar o nome do filho, Adjuto Dias (MDB), a deputado estadual, e Rogério Marinho (PL) ao Senado.

Não se sabe a opção de Álvaro Dias para o Governo do Estado. A intenção, para não desagradar a Rogério Marinho e nem a Walter Alves, presidente do MDB do RN, é ficar “neutro”. Álvaro Dias cuidaria de duas campanhas apenas: Adjuto Dias e Rogério Marinho. Rogério, aliás, viabilizou para a gestão de Álvaro quase R$ 1 bilhão em obras e ações através do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Até ontem no início da tarde, quando a coluna era fechada, a tendência era de Álvaro Dias não ir à convenção do PL no Palácio dos Esportes, onde Fábio Dantas também vai discursar como candidato a governador. Álvaro sabe que, se for prestigiar Rogério, setores bolsonaristas da imprensa, que estão trabalhando na campanha de Fábio, vão insinuar que o prefeito de Natal fechou apoio para o Governo. Isso vem sendo explicado à turma de Rogério Marinho, mas até agora ninguém quer entender. Estão “forçando” Álvaro Dias a aparecer no evento, como forma de “novidade” e acender a chama da esperança na campanha de Fábio Dantas.

SOLIDARIEDADE

A chapa proporcional do partido de Fábio Dantas também vem tendo problemas. O deputado Kelps Lima foi surpreendido com a desistência da vereadora de Natal Ana Paula, esposa do ex-vereador Júlio Protásio. Kelps corre contra o tempo para arranjar uma mulher à altura. A sugestão nos bastidores era a dona de cabaré Lilia Saldanha, que vinha organizando sua campanha para deputada estadual.

NEGOCIAÇÕES

O deputado Nelter Queiroz (PSDB) tem interesse na saída de Lilia Saldanha da disputa pela Assembleia Legislativa. Como apoia Fábio Dantas, Nelter argumenta que já tem em Jucurutu o ex-prefeito Valdir Medeiros, o Liso (Solidariedade), que em 2016 derrotou o filho dele, ex-prefeito George Queiroz, para prefeito de Jucurutu. Nelter pode ter prejuízos no Seridó com dois nomes em suas bases, dividindo votos.

VALE DO AÇU

O presidente da Câmara de Assu, Francisco de Assis – o Tê -, não gostou da ideia de o ex-prefeito Ivan Júnior (União Brasil) ser o vice na chapa de Fábio Dantas, do Solidariedade. Em tempo, Tê é adversário do grupo escolhido para integrar a chapa majoritária do seu partido. Tê já argumenta que terá um prejuízo de votos na capital do Vale do Açu. Pois a esposa de Ivan, Vanessa Lopes, também é candidata a deputada federal. Assú ainda terá a vereadora Delkiza Cavalcante (PSDB), que vai dobrar votos com o deputado Gustavo Carvalho (PSDB).

CONTAS

O grupo do Solidariedade anda grudado com a calculadora nos últimos dias. Tudo para fazer contas de onde nove nomes irão juntar 165 mil votos pelo menos. A ideia de Kelps e de Lawrence Amorim é atrair alguém que junte muitos votos, como a vereadora Ana Paula iria juntar. A desistência na semana da convenção foi um abalo nos planos de Kelps. A ordem é tentar minimizar qualquer efeito negativo na chapa de deputado federal do Solidariedade.

MOSSORÓ

Em conversa com o Blog do Barreto, o vereador Tony Fernandes disse estar garantido para disputar uma vaga de deputado estadual. Dissidente da base do prefeito Allyson Bezerra, principal liderança do Solidariedade no Estado, existia um temor de que a legenda fosse negada na convenção da próxima sexta-feira. Outro vereador do Solidariedade que rompeu com Allyson foi Paulo Igo, que deverá apoiar a candidatura de Tony. Então tá!

PDT

Ciro Gomes inegavelmente é dono de um espírito guerreiro. Primeiro, só batia em Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL). Agora, as dificuldades eleitorais no Ceará fizeram com que Ciro se desentendesse até com os irmãos Cid e Ivo. Amanhã, sai uma nova pesquisa Datafolha. Se mantiver os 9% da última pesquisa, de um mês atrás, ganhará algum tempo para tentar acabar com a crise de sua campanha no seu estado natal. Se cair, no entanto, será um Deus nos acuda.

RN

O ex-prefeito Carlos Eduardo Alves terá dificuldades em conseguir o teto máximo do fundo partidário para sua campanha de senador. Ele não faz campanha para Ciro Gomes, e a nominata que apresentou para deputado federal não consegue sequer a votação da cláusula de barreira: regra que condiciona acesso a recursos do fundo partidário e a tempo de rádio e TV ao desempenho nas eleições. Carlos Eduardo não quer nem saber da campanha a deputada da vice-prefeita Aíla Cortez, por exemplo. O foco será somente na campanha para o Senado, bem ao seu estilo.

DEBATE

O presidente Bolsonaro tem dito que aceitaria participar de um debate “mano a mano” contra Lula no primeiro turno, sem a presença dos demais adversários. Para se concretizar, teria de ser promovido por jornais e portais de internet. Por não serem concessões públicas.

Related Posts